Entrevista com Ana Paula Alvarez Peres- AFPS 2003

1-  Faça um breve histórico de sua trajetória, destacando formação, cidade, vida profissional e outros pontos.

Sou de Santos/SP, tenho 35 anos e sou formada em Engenharia Civil. Terminei a faculdade em dezembro de 1991 e em fevereiro de 1992 já estava empregada em uma empresa de consultoria. Trabalhei na iniciativa privada até maio de 2001, quando fui demitida da empresa onde estava trabalhando, foi quando resolvi que só voltaria a trabalhar se fosse no serviço público. Na ocasião meu filho estava com 5 anos e desde os seus 5 meses passava os seus dias em uma escolinha. Muitas vezes no horário da saída de meu trabalho eu era chamada para uma reunião de última hora e tinha que pedir para outras pessoas buscarem meu filho na escola, e o pior é que na maioria das vezes eram aquelas reuniões que não serviam para nada. Eu me sentia explorada tendo que levar serviço para casa, trabalhar até mais tarde e algumas vezes até nos finais de semana.

Nesta época meu marido estava com um emprego razoável que dava para nos sustentar, desde que fizéssemos muitos cortes nas nossas despesas, foi o que fizemos. Resolvi que dali para frente eu ia só cuidar de meu filho e estudar para concurso público.

2-  Qual foi a maior dificuldade durante sua preparação?

Na ocasião não havia nenhum curso preparatório aqui em Santos e eu não tinha condições de fazer em São Paulo, pois além do curso tinha o valor da passagem. Então tinha que estudar sozinha mesmo, eu não conhecia ninguém que estivesse estudando e também não havia ninguém na minha família com formação em Direito para me ajudar. No começo eu não entendia nada, precisava ler diversas vezes para conseguir assimilar alguma coisa, os termos jurídicos eram novidade para mim. Pensei em desistir muitas vezes e perdi muito tempo. Outra grande dificuldade foi estudar contabilidade sozinha, deu um nó em minha cabeça. Como eu poderia debitar a conta Caixa e o seu valor aumentar ????

Mas o pior de tudo era escutar aquelas pessoas que não entendem nada concurso dizerem que tudo isto era bobagem, que só passa quem tem padrinho ou quem paga pela vaga. Escutei vários casos de fulano e beltrano que pagaram e entraram, isto muitas vezes me desanimou.

3-  Qual foi a estratégia de estudo? Tempo de estudo, revisão, exercícios, teoria, etc.?

A primeira matéria que estudei foi Português, passei mais de um mês estudando só esta matéria. Depois fui para Constitucional, Administrativo, Contabilidade, etc. Eu ficava cerca de um mês em cada matéria para conseguir assimilar bem. Depois que já tinha compreendido bem a matéria fazia exercícios e passava para outra. Após estudar todas as matérias básicas eu voltava para a primeira, só revisando e fazendo exercícios, ficava em torno de uma semana em cada revisão.

Só passei a estudar diversas matérias (uma por dia) depois de ter saído o edital. Este método funcionou bem comigo, gosto de me aprofundar em uma matéria antes de passar para outra.

Eu estudava em média 5 horas por dia, não conseguia estudar mais que isto porque apesar de não trabalhar fora, tenho minha casa e meu filho para cuidar. Quando começaram os boatos de que o edital do AFPS sairia passei a estudar mais, em torno de 8 horas por dia, meu marido colaborou muito, me ajudando para que sobrasse tempo para eu me dedicar mais.

4- Que matérias você estudou sozinho(a) e quais você fez um curso? Porquê?

Como já disse, não havia cursos aqui em Santos, portanto tive que me virar estudando sozinha, só pude fazer curso em São Paulo no final de 2003, mas como já não estava mais no básico fiz alguns de exercícios nas matérias que julgava mais importantes (Previdenciário, Trabalhista e Auditoria). Fiz apenas dois cursos teóricos após do edital do AFPS: Previdência Complementar e Gestão e Administração Pública, que eram matérias novas para mim.

5-  Quais livros, apostilas ou outro meio de estudo você recomenda?

No começo eu estudava por apostilas, que é um bom meio para começar, se a apostila for de boa qualidade lhe dá uma boa base para compreender a matéria. Mas há a necessidade de se aprofundar com livros. Eu sempre começava por uma apostila e depois de entender os fundamentos da matéria passava para os livros específicos para concurso.

Outro material que achava ótimo para estudar era os livros e apostilas de exercícios comentados, a pior coisa que tem é você não entender uma resposta de uma questão e ficar com a dúvida martelando sua cabeça.

6-  Quais foram os seus principais erros durante a preparação?

No começo, ainda em 2001, eu estava estudando para tudo que aparecia, prestei concurso para Oficial de Promotoria, passei na primeira fase e perdi mais de um mês treinando digitação. Depois passei para segunda fase de escrivão da Polícia Federal, perdi mais dois meses treinando para a prova física, na qual acabei sendo reprovada. Só decidi o que realmente queria e passei a focar um único concurso quando saiu o edital do AFPS de 2002, em agosto de 2002. Acho que se eu tivesse focado AFPS desde o início eu não teria perdido tanto tempo e talvez já fosse aprovada em 2002.

7-  Quais foram os seus principais acertos durante a preparação?

Disciplina. Nos horários reservados para os estudos eu me dedicava completamente. Podia ter festas, praia, churrasco, o que quer que fosse eu abria mão para estudar. É claro que não deixei de viver e de passear, mas tudo tinha sua hora certa.

Outra coisa que me ajudou bastante foi o Fórum do CorreioWeb, lá encontrava motivação quando estava insegura, dicas de outros concurseiros em relação a livros e apostilas e ainda ficava a par dos boatos que rolavam a respeito dos editais. Quando estudamos sozinhos, como foi meu caso, sentimos falta de conversar com pessoas que estão no mesmo barco, e o Fórum supriu esta falta.

8- Qual o conselho que você daria para quem já está estudando e ainda não obteve a sua aprovação?

Continuar estudando. A resposta é meio óbvia, mas conheço pessoas que desistiram no meio do caminho, quando faltava pouco para a aprovação. É importante sempre lembrar daquela comparação com uma fila: a cada concurso a fila anda e você vai mais para frente, um dia você esta na frente da fila e aí entra.

9-  Qual o conselho que você daria para quem está começando os seus estudos para concurso público?

A primeira coisa é definir qual concurso, e não ficar atirando para tudo quanto é lado, como eu fiz no começo, com certeza assim a aprovação é mais rápida. A segunda é escolher um bom curso básico, é claro que só o curso não lhe dará a aprovação, mas ajudará bastante no começo. Como já disse, perdi muito tempo tentando entender Contabilidade e Direito, poderia ter reduzido em muito este tempo se tivesse tido uma boa orientação no início dos estudos. E a terceira é ser perseverante, não desanimar nunca, mesmo após uma reprovação.

Acho também que devemos aproveitar ao máximo este período de preparação, encará-lo como um momento de novos aprendizados e não como um sacrifício. É claro que de vez em quando bate uma preguiça mas devemos lutar contra ela. Eu coloquei um cartaz com letras enormes ao lado de minha cama que dizia: A PREGUIÇA É INIMIGA DO SUCESSO. ACORDE PARA ESTUDAR. Parece coisa de maluco, mas funcionava, quando o despertador tocava e eu lia esta frase não conseguia mais ficar na cama.

10-  Qual a sua mensagem para as pessoas que estão objetivando uma aprovação em concurso público?

Acreditar em você mesmo, acreditar que você é capaz. Antes de decidir ser concurseira eu achava que só gênio passava. Por isso comecei estudando para concurso de nível médio, depois vi que não precisa ter inteligência acima do normal para passar em um concurso de nível superior, basta estudar com afinco.

 

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .